sábado, outubro 25, 2014

DILMA GANHOU DE POUCO, VENCEU DE MUITO

Texto de PML em seu blog.

O debate de ontem terminou na primeira pergunta. Aécio Neves tentou usar a última edição da VEJA para colocar Dilma contra a parede. A presidente deu uma resposta a altura, desqualificando uma denúncia que nem seu autor — nem a revista que a publicou — conseguem sustentar com base em provas. Foi uma colocação firme, sem piscar.

O debate terminou aí porque, como se sabe, o último debate de uma campanha envolve uma questão essencial. Quem está na liderança das pesquisas joga na defesa e pode ganhar mesmo que empatar. Quem está atrás precisa tentar virar o jogo de qualquer maneira, mas isso só se consegue quando o interlocutor oferece brechas e oportunidades.

Num confronto que tem algo de uma luta de boxe, é preciso encaixar golpes no rival — uma forma de mostrar ao juri de eleitores, indecisos e pouco firmes, que ele tem pontos fracos que precisam ser levados em consideração. Mas a presidente atuou como se estivesse protegida por uma couraça. Quando a primeira revista não deu certo, Aécio falou de uma reportagem da Istoé.

Entre o 5 de outubro, dia do 1 de turno, e o debate de ontem, o eleitorado brasileiro assistiu a uma outra campanha. Durante um ano inteiro, o discurso da oposição — qualquer que fosse seu candidato — colheu o benefício da postura dos principais meios de comunicação contra o governo. Tratados como questões prioritárias da eleição, temas como inflação, baixo crescimento, incompetência administrativa, Petrobras, dominaram a agenda da primeira fase, graças também a um auxílio numérico, também. Em cada confronto presidencial, ocorria um conflito de 6 contra 1, sem alívio para a presidente.

No segundo turno, o debate teve outro horizonte.

Graças ao horário político, o domínio dos meios de comunicação foi amenizado. As redes sociaistambém mostraram seu alcance e sua garra. Tudo isso permitiu a Dilma defender os pontos de vista do governo, ajudando sua campanha a reencontrar a base de apoio que vinha construindo aos trancos e barrancos desde a posse. Para dois terços do eleitorado, a inflação ficará como está ou pode cair. O desemprego pode diminuir ou ficar na mesma proporção. Para 44%, o crescimento pode melhorar.

Ao derrotar Marina Silva no plano das ideias e dos argumentos, num jogo que foi bruto de parte à parte, Dilma não venceu apenas uma candidatura. Também derrotou uma visão política, a noção de que o mercado tem as melhores e mais eficientes respostas para um país como o nosso. Fazendo uma campanha muito mais à esquerda do que seu governo, a presidente mostrou realizações. Voltou ao discurso pobre x rico que está na origem do PT — e de toda organização política nascida pelo reconhecimento da existência de uma luta de classes nas sociedades contemporâneas.

O reconhecimento dos dramas mas também dos benefícios do presente permitiu ao eleitorado recordar o “passado”, aquela parte da história do país com a qual os herdeiros de 500 anos de governo tem uma compreensível dificuldade para conviver e explicar. Com uma visão basicamente identica, que lhe permitiu diversas ações combinadas de auxílio-mutuo, Aécio ultrapassou Marina — mas já estava sem uma perna quando chegou ao segundo turno e precisava enfrentar um debate cara a cara. Não por acaso, perdeu todos os confrontos, inclusive aquele em que foi o mais agressivo. Empurrado para um canto conservador, debateu-se em contradições insolúveis. As intervenções de Armínio Fraga como candidato a ministro da Fazenda trouxeram mais danos do que benefícios a candidatura, em especial depois de uma derrota amarga num debate — assistido por todos os entendidos — para Guido Mantega.

Aécio tentou, ontem, usar a AP 470 contra o governo — missão difícil para quem não oferece respostas convincentes para o mensalão PSDB-MG, que o eleitor hoje conhece e condena até com mais vigor, pois não levou a uma única punição. Denunciou o porto de Mariel, em Cuba, um negócio que é difícil de condenar do ponto de vista comercial — mas serve para explorar o anti-comunismo primitivo de fatias conservadoras do eleitorado, apenas.

sexta-feira, outubro 24, 2014

A REDE GLOBO E A MANIPULAÇÃO DE CADA DIA

JULIO GOMES

Julio Cezar de Oliveira Gomes é graduado em História e em Direito pela UESC.
Julio Cezar de Oliveira Gomes é graduado em História e em Direito pela UESC.

As eleições presidenciais de 2014 estão servindo, entre outras coisas, para explicitar como e quanto a emissora de TV aberta mais assistida do nosso país maneja os conteúdos que veicula de acordo com seus interesses, sem considerar os compromissos maiores que deveria ter com a sociedade brasileira.

O Bom Dia Brasil exibido na segunda-feira que se seguiu ao primeiro turno das eleições foi a prova mais patente disso. Após repisar de 8:30 às 9:30 a vitória de Aécio Neves nas regiões Sul, Sudeste e Centro-Oeste, o telejornal espremeu nos 15 ou 20 minutos finais a vitória de Dilma no Norte e Nordeste.

Não se trata de um episódio isolado. Não faz dez dias a comentarista de economia Miriam Leitão apresentou, no mesmo telejornal, um gráfico sobre a oscilação de produção de energia elétrica no Brasil. Nele se demonstrava uma oscilação na produção entre os anos de 1998 a 2002. Após, ocorreu um período de crescimento contínuo na produção energética, até 2009. E de 2009 em diante, nova oscilação até 2012/2013. Pois bem: O gráfico exibido ao vivo demonstrava o primeiro período de oscilação, comprimia, propositalmente, os sete anos de crescimento contínuo como se tivessem ocorrido em um único ano, e terminava destacando a oscilação final. Seria cômico, se não fosse trágico!

Os exemplos se estendem ao infinito. No dia 20/10/2014, segunda-feira, o jornalismo da Globo falou das atividades dos candidatos à presidência. Disse que, no domingo anterior, Dilma não teve agenda de campanha e que Aécio fez uma carreata na Zona Sul do Rio de Janeiro. Ora, e o debate que ambos os candidatos realizaram no SBT, no domingo, ao vivo para todo o Brasil, foi o quê? Seria compreensível que a Globo não citasse o nome da emissora rival. Mas ela não tinha o direito de deixar de noticiar o debate ocorrido.

Infelizmente, o que ocorre na política também acontece em relação a tudo o mais que a Globo veicula: Economia, moda, comportamento, família, ética, moral e valores sociais. E nestes últimos temas as consequências da manipulação realizada pela Globo pode ser muito mais negativa do que nas eleições, pois nestas, ao menos, as pessoas poderão se manifestar por meio do voto, enquanto que em relação aos demais temas não há manifestação coletiva possível por parte de quem recebe a programação transmitida.

Assim, desde pelo menos 1970 é a Rede Globo, com sua hegemonia nas telecomunicações, que decide o que devemos consumir, o que é ético ou não e como devem ser as relações familiares. Também é a Globo quem cria as tendências na economia e na moda, quem estabelece o limite entre moralidade e imoralidade e impõe os valores sociais que devem prevalecer, fazendo-o há, pelo menos, duas gerações de brasileiros que, em sua imensa maioria, sequer se dão conta de tal fato.

Desejo que o próximo presidente a ser eleito, seja lá quem for, arrebente com esta hegemonia sócio-político-cultural da Rede Globo, que tem sido tão nociva em inúmeros aspectos.

Porém, esta tarefa não é só dos governos. Cabe a cada um de nós rompermos com a Rede Globo e com muito dos padrões que ela incutiu em nós. É tarefa difícil, mas temos outras opções de TVs abertas, de TVs a cabo, e de inúmeras outras mídias como rádios, jornais e, sobretudo, internet, onde podemos buscar conteúdos mais próximos daquilo que desejamos.

É, de fato, um grande desafio: deixar de sermos aquilo que a Rede Globo fez de nós e passar a buscar conteúdos para sermos o que nós realmente queremos ser. Texto publicado originalmente no site Ilhéus24h.

Empregos: Vagas disponíveis na próxima segunda-feira, 27.

Cozinheiro de Restaurante
Formação: Ensino Fundamental Completo
6 meses de experiência
  3 vagas

Cozinheiro Geral
Formação: Ensino Médio Completo
6 meses de experiência
1 vaga

Saboreie
Formação: Ensino Fundamental Incompleto
6 meses de experiência
1 vaga

Empregada Doméstica
Formação: Ensino Fundamental Incompleto
6 meses de experiência
1 vaga

Garçom
Formação: Ensino Médio Completo
6 meses de experiência
3 vagas

Chefe de Fila (Hotelaria)
Formação: Ensino Médio Completo
6 meses de experiência
1 vaga

Serviços Gerais
(Vaga Exclusiva para PCD)
Formação: Ensino Fundamental Completo
6 meses de experiência
1 vaga

Serralheiro
Formação: Ensino Fundamental Completo
6 meses de experiência
1 vaga

Vendedor Pracista
Formação: Ensino Fundamental Completo
6 meses de experiência
5 vagas

Cabeleireiro
Formação: Ensino Fundamental Completo
6 meses de experiência
4 vagas

Depilador
4 meses de experiência
1 vaga

Mecânico de Bombas
Formação: Ensino Médio Completo
6 meses de experiência
1 vaga

Pedreiro
Formação: Ensino Médio Completo
6 meses de experiência
2 vagas

Pintor
Formação: Ensino Fundamental Completo
6 meses de experiência
2 vagas

Servente de Obras
Formação: Ensino Fundamental Completo
6 meses de experiência
1 vaga

Servente de Obras
Formação: Ensino Fundamental Incompleto
6 meses de experiência
8 vagas

Técnico de Edificação
Formação: Ensino Médio Completo
6 meses de experiência
1 vaga

Vidraceiro
Formação: Ensino Fundamental Completo
6 meses de experiência
1 vaga

Marceneiro
Formação: Ensino Fundamental Completo
6 meses de experiência
1 vaga

Encanador de Manutenção
Formação: Ensino Fundamental Completo
6 meses de experiência
1 vaga

Eletricista
Formação: Ensino Médio Completo
6 meses de experiência
2 vagas

Tratorista
Formação: Ensino Fundamental Completo
6 meses de experiência
1 vaga

Jardineiro
Formação: Ensino Fundamental Incompleto
6 meses de experiência
1 vaga

Recepcionista Bilíngüe
Formação: Ensino Médio Completo
6 meses de experiência
2 vagas

Vendedora
Formação: Ensino Médio Completo
6 meses de experiência
1 vaga

Costureira
Formação: Ensino Fundamental Incompleto
6 meses de experiência
1 vaga

Promotor de Vendas
Formação: Ensino Médio Completo
6 meses de experiência
5 vagas

Operador de Caixa
Formação: Ensino Médio Completo
6 meses de experiência
1 vaga

Consultor de Vendas
Formação: Ensino Superior Incompleto
6 meses de experiência
2 vagas

Agente de Reservas
Formação: Ensino Médio Completo
6 meses de experiência
1 vaga

Almoxarife
Formação: Ensino Médio Completo
6 meses de experiência
1 vaga

Vendedor
Formação: Ensino Médio Completo
6 meses de experiência
1 vaga

Auxiliar Contábil
Formação: Ensino Superior Incompleto
6 meses de experiência
1 vaga

Professor Ensino Fundamental I
Formação: Ensino Superior Completo
6 meses de experiência
1 vaga

Professor de Inglês
Formação: Ensino Superior Completo
(Letras com habilitação e inglês)
6 meses de experiência
1 vaga

Almoxarife
Formação: Ensino Médio Completo
6 meses de experiência
1 vaga

Técnico eletricista
Formação: Ensino Médio Completo
6 meses de experiência
1 vaga

Agência do SineBahia Ilhéus, que fica na sala 13 do SAC, situado na Rua Eustáquio Bastos, 308, Centro.

CONCURSO DO TJ-BA OFERECE 200 VAGAS E ATÉ R$ 5,1 MIL DE SALÁRIO

Concurso do TJ-BA abre 200 vagas.
Concurso do TJ-BA abre 200 vagas.
O Tribunal de Justiça da Bahia publicou hoje (23) o edital do concurso público para preencher 200 vagas nos níveis médio, técnico e superior, além de formação de cadastro de reserva. As inscrições começam na próxima quarta (29) e as provas serão aplicadas pela Fundação Getúlio Vargas.
Das 200 vagas para analista e técnico judiciário, 107 são destinadas a quem tem nível superior, 81 para nível médio e 12 para médio técnico. 70% delas serão destinadas aos cartórios judiciais, conforme o edital. Haverá, ainda, formação de cadastro de reserva.
O concurso prevê contratações de profissionais com formação em Direito, Administração, Tecnologia da Informação, Arquitetura, Assistência Social, Biblioteconomia, Comunicação com habilitação em Jornalismo, Contabilidade, Economia, Enfermagem, Engenharia Civil, Engenharia Elétrica, Engenharia Mecânica, Estatística, Medicina, Odontologia e Psicologia.
CRONOGRAMA DO CONCURSO
A inscrição vai até 4 de dezembro, no site da Fundação Getúlio Vagas. A taxa varia de R$ 68,00 (cargos médio e técnico) a R$ 85,00 (nível superior).
Pelo cronograma do concurso, as provas objetivas e discursivas serão aplicas em 25 de janeiro nos polos Barreiras, Feira de Santana, Ilhéus, Juazeiro, Porto Seguro, Salvador e Vitória da Conquista.
Os salários são de R$ 3.091,21 e R$ 5.117,24 e, respectivamente, para nível médio e nível superior, mais auxílios alimentação e transporte. Este é o primeiro concurso realizado pelo tribunal nos últimos oito anos. Fonte: Pimenta.

Ex-diretor denuncia caixa 2 na campanha de Eduardo Campos para governo de Pernambuco

Ex-diretor denuncia caixa 2 na campanha de Eduardo Campos para governo de Pernambuco
Foto:
Em depoimento da delação premiada, o ex-diretor de Abastecimento da Petrobras Paulo Roberto Costa afirmou que intermediou em 2010 o pagamento de R$ 20 milhões para o caixa 2 da campanha de Eduardo Campos (PSB), na época candidato à reeleição ao governo de Pernambuco. Nos autos da Operação Lava Jato, consta que Costa denunciou o ex-ministro Fernando Bezerra, da Integração Nacional do governo Dilma Rousseff (PT) como operador da transação. Bezerra foi eleito senador pelo PSB de Pernambuco e foi ex-braço direito de Campos. Costa relatou ao Ministério Público Federal (MPF), antes, que Bezerra pediu a ele o dinheiro para ser usado na campanha de Campos, morto tragicamente em um acidente de avião. Também foram apontados pelo ex-diretor pelo menos 32 deputados e senadores do PSDB, PT, PMDB e PP com esquemas de propina nas obras da refinaria Abreu e Lima, em Pernambuco. O doleiro Alberto Youssef, preso desde 17 de março, também faz delação premiada e já citou 28 parlamentares. Na época, o ex-ministro Bezerra era secretário de Desenvolvimento do governo do Estado e presidente do Porto de Suape (entre 2007 e 2010), onde foi construída a refinaria. O ex-ministro, em resposta, afirmou que as declarações buscam “manchar a memória” de Eduardo Campos. Do Bahia Notícias.

LULA AO 247: "VEJA É FÁBRICA DE MENTIRAS E DE ÓDIO"

Texto de PML ao 247.

Em entrevista ao 247, o ex-presidente Lula reagiu, com indignação, à manobra eleitoral de Veja, que publicou acusações, sem prova, coma a própria revista admite, contra ele e a presidente Dilma Rousseff, às véspersas do segundo turno; "A Veja é a maior fábrica de mentiras do mundo. Assim como a Disney produz diversão para as crianças, a Veja produz mentiras. Os brinquedos da Disney querem produzir sonhos. As mentiras da Veja querem produzir ódio", disse ele ao jornalista Paulo Moreira Leite, diretor do 247, em Brasília; Dilma foi ao horário eleitoral e anunciou medidas judiciais contra a publicação da Marginal Pinheiros; "Veja vai fracassar no seu intento criminoso", disse ela; eis um trecho da reportagem de Veja que fala por si: "O doleiro não apresentou – e nem lhe foram pedidas – provas do que disse"; crime eleitoral escancarado, que atenta contra a democracia brasileira

Por Paulo Moreira Leite

Poucas horas depois de tomar conhecimento da reportagem de capa da VEJA, Luiz Inácio Lula da Silva reagiu de forma indignada em entrevista ao 247:

— A Veja é a maior fábrica de mentiras do mundo. Assim como a Disney produz diversão para as crianças, a VEJA produz mentiras. Os brinquedos da Disney querem produzir sonhos. As mentiras da VEJA querem produzir ódio, disse ele, referindo-se a um elemento da química eleitoral que adquiriu uma presença importante na campanha de 2014.

Poucos políticos brasileiros foram alvo de tamanha quantidade de reportagens negativas por parte da VEJA como Luiz Inácio Lula Silva. Reportagens erradas, bem entendido, que não debatiam suas ideias políticas, nem o PT, mas questionavam seu caráter e sua formação. Os dois episódios mais conhecidos ocorreram no ano de 2006, quando Lula disputava a reeleição — momento especialmente propício para desastres midiáticos, como se sabe.

Em maio a revista publicou a denúncia de que Lula e vários ministros possuíam contas secretas no exterior. Como aconteceu com a capa “Eles sabiam de tudo”, a revista não possuía informações confiáveis para sustentar o que dizia, admitia isso perante os leitores — mas não se furtou lançar acusações gravíssimas que, se fossem comprovadas, levariam a um impeachment do presidente. Mas era uma farsa grotesca, com dados que não combinavam, misturados num enredo mirabolante. O autor da apuração chegou a deixar claro a seus superiores que a história não batia, possuía várias contradições — mas ela foi publicada mesmo assim.

Em outubro daquele ano, às vésperas do pleito onde Lula disputou a reeleição, VEJA publicou “O Ronaldo de Lula,” onde sugeria que Fábio Luís, filho do presidente, havia feito fortuna atuando como lobista do governo do pai. Havia dados e números sobre os negócios de Fábio Luís mas nenhum episódio que provasse o que se insinuava.

No início do ano passado, Lula e Roberto Civita, o dono da editora Abril, foram vizinhos no hospital Sírio Libanes, em São Paulo. Lula seguia no tratamento contra o câncer na laringe, do qual se recuperou, enquanto Civita cuidava do aneurisma no abdômen, causa de sua morte. Informado da gravidade da doença do empresário, Lula decidiu lhe fazer uma visita de cortesia. Civita reagiu com surpresa à chegada do ex-presidente. Em determinado momento, Civita lembrou-se da matéria sobre Fábio Luíz e disse a Lula que lamentava terem feito aquela acusação sem provas. Lula tranquilizou Civita. Disse que não fora ali para discutir, mas para lhe desejar boa sorte. Poucos minutos depois, retirou-se.

quinta-feira, outubro 23, 2014

DATAFOLHA E IBOPE: DILMA DISPARA SOBRE AÉCIO



Pesquisas que acabam de ser divulgadas pelos maiores institutos apontam candidata do PT à reeleição à frente do postulante do PSDB além da margem de erro pela primeira vez no segundo turno; na Datafolha, Dilma Rousseff marca 53% dos votos válidos, contra 47% para Aécio Neves, uma vantagem de seis pontos; Ibope tem placar de 54% a 46%, diferença de oito pontos; PT avança na reta final, cerca tucanos e leva Dilma ao favoritismo na eleição de domingo

Levantamentos divulgados pelos institutos Datafolha e Ibope na tarde desta quinta-feira 23 apontam vantagem de seis e oito pontos, respectivamente, da presidente Dilma Rousseff em relação ao candidato do PSDB, Aécio Neves.

No Datafolha, ela atinge 53% das intenções dos votos válidos, contra 47% do tucano. Em comparação com a última pesquisa, Dilma cresceu um ponto, enquanto Aécio perdeu um.

Em votos totais, Dilma registrou 48%, enquanto Aécio atingiu 42%. Brancos e nulos representaram 5% dos entrevistados. Outros 5% disseram não saber em quem votar.

No Ibope, a presidente cresceu seis pontos em relação à última mostra, da semana passada, e registrou 54% dos votos válidos, ante 46% do adversário.

Considerando os votos totais, Dilma registrou 49% contra 41% de Aécio. Segundo a pesquisa, os indecisos são 3% e 7% responderam que vão votar nulo ou em branco no próximo domingo 26.

Com essa diferença, nos dois levantamentos, a candidata à reeleição pelo PT passa a liderar a disputa à Presidência da República isoladamente, pela primeiravez no segundo turno.

As notícias, que chegaram praticamente juntas ao público, mostrou uma inesperada, para a maioria dos analistas, aceleração da definição do eleitorado. O que se nota é que pesquisa Datafolha divulgada dois dias atrás, na qual Dilma apresentava 52% contra 48% para Aécio, não mostrava um quadro cristalizado, mas sim em evolução. 

A candidatura da presidente mostrou capacidade de crescer um ponto - e talvez este ainda não tenha sido o ponto final da evolução. O teto de Dilma pode ser maior. Da mesma maneira, Aécio corre o risco de encontrar seu piso mais abaixo da atual marca, se não tratar de retomar a iniciativa. O grande problema é que a eleição acontece dentro de três dias, deixando de oferecer tempo para uma virada tucano sobre a virada de Dilma.

A presidente está indo para as urnas na condição de favorita.

Abaixo, reportagens da Agência Brasil sobre as pesquisas:

Datafolha: Dilma tem 48% das intenções de voto e Aécio, 42%

Mariana Tokarnia - Pesquisa Datafolha, finalizada hoje (23), mostra a candidata do PT à reeleição, Dilma Rousseff, com 48% das intenções de votos. Aécio Neves, do PSDB, tem 42%. Assim como na pesquisa Ibope divulgada nesta quinta-feira, pela primeira vez no levantamento, Dilma lidera a disputa no segundo turno fora da margem de erro.

Votos brancos e nulos somam 5%, enquanto 5% ainda estão indecisos. Considerados os votos válidos (excluindo-se os brancos, nulos e indecisos), Dilma tem 53% e Aécio, 47%. A pesquisa foi contratada pelo jornal Folha de S.Paulo e pela TV Globo. Na pesquisa anterior, Dilma tinha 47% e Aécio, 43% dos votos totais.

De acordo com o levantamento divulgado hoje, 41% afirmaram não votar em Aécio "de jeito nenhum", enquanto 37% afirmaram não votar em Dilma.

A pesquisa Datafolha ouviu 9.910 eleitores na quarta-feira (22) e na quinta-feira (23). A margem de erro é dois pontos percentuais para mais ou para menos. O nível de confiança é 95%. O levantamento foi registrado no Tribunal Superior Eleitoral (TSE) sob o número BR-01162/2014.

No primeiro turno, Dilma Rousseff obteve 41,59% dos votos válidos e Aécio Neves recebeu 33,55%. O segundo turno das eleições presidenciais será no próximo domingo (26).

Ibope: Dilma tem 49% e Aécio, 41% das intenções de voto

A pesquisa Ibope divulgada hoje (23) mostra a candidata do PT, Dilma Rousseff, com 49% das intenções de votos. Aécio Neves, do PSDB, tem 41%. Votos brancos e nulos somam 7% e não sabem ou não responderam 3%. Na pesquisa anterior, divulgada no último dia 15, Aécio tinha 45% das intenções de voto e Dilma, 43%. Brancos e nulos somavam 7%. Os que não sabiam ou não responderam, 5%.

No caso dos votos válidos, ou seja, excluídos brancos, nulos e os eleitores que se declaram indecisos, mesmo procedimento utilizado pela Justiça Eleitoral para divulgar o resultado oficial da eleição, de acordo com o instituto, Dilma aparece com 54% das intenções de votos e Aécio com 46% . Na pesquisa anterior, Aécio tinha 51% e Dilma, 49% dos votos válidos.

Quanto ao percentual de rejeição, de acordo com o Ibope, Aécio tem 42% e Dilma, 36%.

O Ibope ouviu 3.010 eleitores em 203 municípios, entre os dias 20 e 22 de outubro. A margem de erro é de dois pontos percentuais para mais ou para menos. O nível de confiança é 95%. A pesquisa foi registrada no Tribunal Superior Eleitoral (TSE) sob o protocolo BR-01168/2014. A pesquisa foi encomendada pela TV Globo e pelo jornal O Estado de S. Paulo.

No primeiro turno das eleições, de acordo com o Tribunal Superior Eleitoral (TSE), Dilma Rousseff obteve 41,59% dos votos válidos e Aécio Neves, 33,55%. 247.

Taxa de desemprego em setembro é de 4,9%, diz o IBGE

Taxa de desemprego em setembro é de 4,9%, diz o IBGE
Foto: Divulgação / SJP
A taxa de desemprego apurada pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) nas seis principais regiões metropolitanas do País ficou em 4,9% em setembro. O resultado ficou no piso do intervalo das estimativas dos analistas ouvidos pelo AE Projeções, que esperavam um resultado entre 4,90% a 5,30%, com mediana de 5,10%. Em agosto, a taxa de desocupação foi de 5,0%. O rendimento médio real dos trabalhadores registrou alta de 0,1% em setembro ante agosto e alta de 1,5% na comparação com setembro de 2013. Fonte: Bahia Notícias.

“O PT AJUDOU MAIS O NORDESTE”, RECONHECE FHC



Ex-presidente Fernando Henrique reconheceu, nesta quinta-feira, os avanços promovidos pelo PT nos últimos 12 anos e disse que as gestões de Dilma e Lula fizeram mais pelo Nordeste do que a sua; "Não tenho dúvidas que o governo do PT ajudou mais o Nordeste. Eles foram beneficiados pela conjuntura favorável e ampliaram os programas sociais", afirmou, em entrevista à Rádio Jornal do Recife; segundo ele, "o Brasil está progredindo" e por isso não seria necessário "ficar denegrindo o passado para exaltar o que foi feito depois"; questionado sobre a crise hídrica em São Paulo, onde vive, FHC disse não sofrer com o problema; “Nesse momento tem. Como é prédio, sempre guarda água. Eu nunca sofri falta de água”, disse

O ex-presidente Fernando Henrique Cardoso (PSDB) defendeu, nesta quinta-feira (23), o legado tucano para o País e disse que o PT utiliza a tática de demonizar as administrações do partido para tentar reconstruir a história. Apesar da crítica, FHC reconheceu os avanços promovidos pelo PT nos últimos doze anos e disse que as gestões da presidente Dilma Rousseff e do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva fizeram mais pelo Nordeste do que quando ele comandou o governo federal.

“Não tenho dúvidas que o governo do PT ajudou mais o Nordeste. Eles foram beneficiados pela conjuntura favorável e ampliaram os programas sociais. Obviamente, com a prosperidade de 2004 a 2009, houve mais possibilidade de ampliar os programas sociais”, reconheceu, em entrevista à Rádio Jornal do Recife.

Apesar disto, FHC destacou que durante a sua administração o Nordeste brasileiro jamais foi preterido e que dizer que o PSDB tem preconceito contra a região é um ponto “perigoso”. “O primeiro programa de seguro contra a seca foi no meu governo. O Porto de Suape, em Pernambuco, foi finalizado no meu governo. Pecém (CE) foi iniciado no meu governo. Dizem que não fizemos nada em energia. Das cinco unidades de Paulo Afonso, três foram no meu governo. Então não tem sentido. É eleitoreiro e até perigoso lançar parte do Brasil contra parte do Brasil”, ressaltou o ex-presidente.

Fernando Henrique Cardoso também destacou que os ataques do PT contra o PSDB seriam uma tentativa de reconstrução da história “denegrindo o que foi feito no passado para exaltar o que foi feito depois. “Não precisava dizer que avançou por aqui, por aí, como é natural. O Brasil está progredindo. Não precisava ficar jogando pedra no passado”, pontuou. Segundo ele, isso teria se tornado “uma obsessão do PT e da presidente Dilma”.

Ele também observou que, diferente das eleições anteriores, quando o PSDB “teria escondido” a sua gestão, Aécio “teve uma atitude corajosa”. “O clima era tão pesado que os candidatos do PSDB tinham medo de perder eleitores se defendessem o governo. Uma coisa errada, podiam ter defendido. Agora, o Aécio teve uma atitude corajosa. Ele enfrentou e o resultado é positivo. Ele está aí, competitivo”, disse.

FHC também condenou o fato de o PT querer utilizar “escândalos que não existiram” com finalidade eleitoral. “Quando vejo a presidente Dilma, e fico triste com isso porque acho que ela tem mais integridade, falar dos escândalos do PSDB. Ela falou duas vezes sobre uma tal de pasta rosa que ninguém lembra mais, mas eu lembro. Quando fizemos a intervenção do banco Econômico encontramos uma pasta cor de rosa com uma relação de pessoas que tinham recebido contribuição de campanha. Só que eram campanhas de 94, antes da minha eleição. Portanto não tinha nada a ver com o PSDB. Não tinha escândalo. Não havia legislação para punir. É assim. Eles montam como se houvesse um tremendo escândalo”, disparou. “Já disse ao Aécio que tem que enfrentar tudo”, completou.

Ele também ressaltou que a alegação do PT de que o PSDB quebrou o País três vezes é falsa. “Tiramos o Brasil da moratória e restabelecemos o fluxo financeiro internacional. Lembro que o Brasil pediu empréstimos ao FMI por duas vezes. Sendo que o segundo empréstimo foi para que o governo Lula, que ia assumir em 2003, pudesse começar em ordem e pelo que pudesse vir com a eleição do Lula”, afirmou. Usando de ironia, FHC disse que a presidente Dilma merecia o “Prêmio Nobel de tanta incompetência em economia”.

Questionado pelo entrevistador Geraldo Freire sobre a crise no abastecimento de água em São Paulo, onde vive, FHC disse não sofrer com o problema. “Nesse momento tem. Como é prédio, sempre guarda água. Eu nunca sofri falta de água”, afirmou. Informações 247.

segunda-feira, outubro 20, 2014

Dilma acertou o tom

record
Vou ser bem direto e pouquíssimo passional na análise do debate encerrado há pouco na Record.
Não mexe em nada com mais de 80% dos eleitores que, a esta altura, têm seu voto decidido para o próximo domingo.
A esta altura, exceto por revelações bombásticas, o clima é mais importante que os argumentos.
Como nada do que foi dito na Record foi bombástico, também não são bombásticos os efeitos do debate.
O que não quer dizer que são ou serão pequenos.
Dilma se moderou nas citações numéricas e estatísticas e produziu, denovo, fatos concretos.
Sobretudo na questão da segurança, como já postei aqui, ainda durante o debate.
Os argumentos de Aécio se desmontam com os números e é provável que a própria mídia os tenha de repercurtir.
Mas, insisto, isso não é o essencial.
O essencial é que as pessoas possam se sentir seguras com Dilma, e sentir-lhe a segurança.
A eleição está dividida e como em toda a situação dividida, a confiança que se percebe e se transmite é decisiva.
Aécio pareceu-me bem menos seguro e a muitos deve ter dado também esta sensação.
Claro que não aos áulicos, mas os áulicos servem para bater palmas no estúdio, não mais que isso.
O fato é que a insegurança mudou de lado, em duas semanas.
Depois do desempenho  ”surpreendente” de Aécio no primeiro turno (embora muitos já estivéssemos afirmando muito antes que ele e não Marina iria ao segundo turno)  e do apoio que o tucano recebeu de praticamente todas as candidaturas, exceto a de Luciana Genro, a pergunta já não é mais se Dilma terá condições de resistir-lhe.
Mas se ele terá condições de ultrapassá-la.
Porque, mais que o resultado que se publica, a gente percebe no comportamento dos candidatos quando ele sabe está atrás ou à frentenas intenções de voto, porque tem dados muito mais precisos e confiáveis do que nós.
Aécio já não era o “desafiador”.
Mas o desafiante.
E nisso, ele foi xoxo.
Não poderia, como ocorreu, ter recebido “explicações” da candidata sobre o que significavam as coisas sobre as quais falava, como os bancos públicos, por exemplo.
Nada pior do que se mostrar despreparado. O que, apesar da oratória limitada, Dilma não se mostra.
Ele, muito mais do que ela, precisaria ter exibido solidez, porque depende de um “clima”.
E não exibiu justamente  porque tem pouca solidez.
O debate do SBT, como o da Band,  teve o tom certo para mobilizar apoiadores.
Aécio vinha de seu momento e, pelo visto, não conseguiu capitalizar o favoritismo com que emergiu das urnas do primeiro turno, quando poderia ter abatido a estabilidade que, há meses, a candidatura Dilma apresentava, justamente por ter esta solidez.
Seria uma nova “onda” e a “onda” foi quebrada com o confronto.
Já o  da Record mirou os eleitores, não para os militantes.
E, para eles, Dilma acertou o tom.
Recuperou a segurança, a firmeza, a imagem tranquila.
A de favorita.
Texto do Tijolaço.

Dilma lidera pesquisa em pesquisa divulgada hoje.



Pesquisa encomendada pela CNT (Confederação Nacional dos Transportes) aponta a presidente com 50,5% dos votos válidos, contra 49,5% do candidato do PSDB; em votos gerais, contando brancos e nulos, a vantagem é a mesma para Dilma Rousseff, que tem 45,5% ante 44,5% de Aécio Neves; mostras da semana passada apontavam empate técnico, mas com Aécio numericamente à frente; primeira pesquisa do segundo turno do instituto MDA foi realizada sábado e domingo, portanto antes do terceiro debate presidencial, exibido ontem à noite pela TV Record; margem de erro é de 2,2 pontos percentuais; Ibovespa acentua queda após divulgação da pesquisa

Pesquisa CNT/MDA divulgada na manhã desta segunda-feira 20 confirma o empate técnico apontado nas mostras Datafolha e Ibope da semana passada, mas com a presidente Dilma Rousseff (PT) numericamente à frente de Aécio Neves (PSDB).

A candidata à reeleição registrou 50,5% dos votos válidos, contra 49,5% do candidato tucano. Esta foi a primeira pesquisa do instituto MDA no segundo turno, portanto não há cenário de comparação com levantamentos anteriores.

Contabilizando os votos gerais, com brancos e nulos, a vantagem da petista é mesma: 45,5% das intenções de voto a Dilma, ante 44,5% a Aécio Neves. A margem de erro da pesquisa é de 2,2 pontos percentuais.

O instituto MDA realizou 2.002 entrevistas em 137 municípios de 25 estados no sábado 18 e no domingo 19, portanto antes do terceiro debate presidencial, exibido pela TV Record na noite deste domingo.

As pesquisas Datafolha e Ibope divulgadas na semana passada apontaram resultados idênticos entre elas, com empate técnico entre Aécio (51%) e Dilma (49%), mas com Aécio dois pontos à frente. O Datafolha divulga um novo levantamento nesta segunda-feira 20, às 18h no site da Folha de S. Paulo.

O Ibovespa acentuou a queda após a divulgação da pesquisa mostrando Dilma um ponto à frente. Leia abaixo reportagem do portal Infomoney.

Bolsa acelera queda após pesquisa com Dilma à frente

Por Ricardo Bomfim

São Paulo - Com divulgação da pesquisa CNT/MDA, mostrando a candidata à reeleição pelo PT, Dilma Rousseff, numericamente à frente, o Ibovespa acelerou as perdas no pregão desta segunda-feira (20).

Investidores embolsam os lucros obtidos com a alta da sexta-feira. No momento da divulgação, o índice caiu 0,6% em cinco minutos. Às 11h25 (horário de Brasília), o Ibovespa caía 1,86% a 54.689 pontos, seguindo a tendência das bolsas europeias, que também começaram o pregão desta segunda-feira (20) em baixa.

Pesquisa CNT/MDA sobre intenção de voto para os presidenciáveis Aécio Neves (PSDB) e Dilma Rousseff (PT) foi divulgada às 11h (horário de Brasília). A candidata petista apareceu com 50,5% das intenções de voto contra 49,5% de Aécio entre votos válidos. Os dois candidatos ainda estão em empate técnico por conta da margem de erro.

Datafolha também deve sair hoje às 18h no site da Folha de S. Paulo, e mais tarde no Jornal Nacional. Ainda pode ser divulgada a pesquisa Vox Populi. Todas essas pesquisas estão no radar dos investidores e devem ditar os rumos do mercado durante a semana.

Ainda no cenário eleitoral, a repercussão do debate entre os dois candidatos à Presidência na TV Record deve ter efeitos limitados na Bolsa. Considerado mais ameno que o debate do SBT, neste último, Aécio e Dilma focaram mais em propostas por medo de uma alta da rejeição a eles por conta da agressividade mostrada nos últimos dias.

O tema mais importante do fim de semana foi a admissão pela presidente Dilma, no sábado, de que houve sim desvios na Petrobras e que ela fará o possível para ressarcir os prejuízos. Foi a primeira vez que a presidente admitiu a veracidade das informações contidas na delação premiada do ex-diretor da estatal, Paulo Roberto Costa.

No noticiário econômico, destaque para o Focus, que voltou a revisar a expectativa do crescimento do PIB para baixo. A expectativa de expansão do PIB (Produto Interno Bruto) em 2014 diminuiu para 0,27%, ante 0,28% da semana anterior. Para 2015, os economistas mantiveram a projeção do PIB para 1%.

Em relação à inflação medida pelo IPCA (Índice de Preços ao Consumidor Amplo) em 2014, os economistas mantiveram a projeção em 6,45%, e continuou abaixo do teto da meta, enquanto para o próximo ano a projeção também se manteve em 6,30%.

Destaques As ações da Petrobras ON e PN (PETR3; PETR4) caíam 3,69% a R$ 17,81 e 3,40% a R$ 18,75, respectivamente. Bastante sujeitas ao chamado "rali eleitoral" os papéis da empresa são influenciados pelos resultados das pesquisas de hoje. Além disso, as ações ainda refletem as notícias recentes sobre o fim da defasagem entre os preços da gasolina internamente e os práticos lá fora com a queda dos preços do petróleo. Surgiram

O principal destaque negativo fica com as ações OI PN (OIBR4), que registram desvalorização de 7,20% e são cotadas a R$ 1,16. Com essa variação, a baixa acumulada desde o início do ano chega a -67,69%.

Por outro lado, o melhor desempenho fica com os papéis Ecorodovias ON (ECOR3), que são cotados a R$ 12,00 e apresentam alta de 1,44%. Do 247.

sexta-feira, outubro 17, 2014

HOLOFOTE SOBRE PSDB COMPLICA USO POLÍTICO NA PETROBRAS



Quem também pediu propinas ao ex-diretor da Petrobras, Paulo Roberto Costa, foi ninguém menos que o ex-presidente do PSDB, Sérgio Guerra; ontem, já havia surgido também a acusação de que o senador eleito Fernando Bezerra Coelho, do PSB, havia levantado R$ 20 milhões para a reeleição de Eduardo Campos, em 2010; com as revelações, o esquema de Costa se torna menos petista e mais ecumênico, atingindo todas as forças políticas, inclusive da oposição, o que dificulta a exploração política do caso, às vésperas do segundo turno

A manchete da Folha de S. Paulo desta sexta-feira traz um complicador para a estratégica política do PSDB, de usar o esquema comandado por Paulo Roberto Costa, ex-diretor da Petrobras, como arma contra o PT, às vésperas do segundo turno. Costa também disse ter pago propinas a ninguém menos que Sergio Guerra, ex-presidente nacional do PSDB. Ontem, numa outra revelação, surgiu a história de que o senador Fernando Bezerra Coelho, do PSB, também levantou R$ 20 milhões para a reeleição de Eduardo Campos, em 2010. Assim, o esquema denunciado na Operação Lava-Jato se torna mais ecumênico e suprapartidário – e não apenas petista.

Leia, abaixo, reportagem da Reuters sobre Guerra:

(Reuters) - O ex-diretor da Petrobras Paulo Roberto Costa disse em um depoimento ao Ministério Público Federal que repassou propina para o ex-presidente do PSDB Sérgio Guerra, para ajudar a esvaziar uma CPI criada para investigar a estatal em 2009, segundo notícia publicada no site do jornal Folha de S.Paulo.

Guerra, que morreu em março deste ano, era senador por Pernambuco e presidente do partido na época, além de integrar a Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI).

Segundo a Folha, quatro pessoas envolvidas na investigação da Operação Lava Jato confirmaram que o líder do PSDB foi citado em um dos depoimentos de Costa, depois que ele decidiu colaborar com as autoridades.

Ainda de acordo com a reportagem do jornal, Costa disse que empresas que prestavam serviços à Petrobras queriam encerrar as investigações da CPI. Embora a oposição fosse minoritária na CPI, as empreiteiras temiam prejuízos com a repercussão na imprensa das investigações.

O PSDB divulgou nota afirmando que defende que todas as denúncias de Costa sejam investigadas.
Segundo a Folha, Francisco, filho de Guerra, disse não ter nada a dizer sobre a acusação, acrescentando que preserva o legado do pai "com muita honra".

(Por Alexandre Caverni)

quinta-feira, outubro 16, 2014

Vereador Cosme Araújo apresenta proposições que beneficiam Rua Santarém e Travessa da Saboaria, na Princesa Isabel


O vereador Cosme Araújo (PDT), apresentou proposição nº 456/2014 solicitando providencias do poder público municipal, na recuperação da Rua Santarém, diante do descaso e a falta de manutenção de serviços de infraestrutura em toda a extensão do logradouro. A Rua continua intransitável, causando transtorno para os moradores e transeuntes, principalmente no trafego de veículos.


Já proposição nº 457/2014 reivindica urgentemente que a prefeitura de Ilhéus cumpra com suas atribuições na travessa da Saboaria, na Princesa Isabel. A travessa está totalmente abandonada, suja e acumulando lixo e entulho. “Os moradores não sabem a quem apelar, já que o logradouro não passa de um corredor de sujeira, pois o carro de lixo não passa e muito menos acontecem os serviços de rolagem e varrição”, assinala Araújo.

quarta-feira, outubro 15, 2014

HÁ VAGAS DE EMPREGO AQUI!

Relação de vagas oferecidas pelo SINEBAHIA disponíveis para quinta-feira dia 16 de outubro de 2014. 

Agente de Reservas
·         Formação: Ensino Médio Completo
·         6 meses de experiência
·         1 vaga

Ajudante de Cozinha
·         Formação: Ensino Médio Incompleto
·         6 meses de experiência
·         3 vaga

Recepcionista de Hotel
·         Formação: Ensino Médio Completo
·         6 meses de experiência
·         4 vagas

Recepcionista Bilingue
·         Formação: Ensino Médio Completo
·         6 meses de experiência
·         1 vaga

Camareira de Hotel
·         Formação: Ensino Fundamental Completo
·         6 meses de experiência
·         1 vaga

Cozinheiro de Restaurante
·         Formação: Ensino Fundamental Completo
·         6 meses de experiência
·         1 vaga

Monitor de Esporte e Lazer
·         Formação: Ensino Médio Completo
·         6 meses de experiência
·         3 vagas

Garçom
·         Formação: Ensino Médio Completo
·         6 meses de experiência
·         14 vagas

Auxiliar de Pessoal
·         Formação: Ensino Médio Completo
·         6 meses de experiência
·         1 vaga

Auxiliar de Barman
·         Formação: Ensino Médio Completo
·         2 meses de experiência
·         03 vagas

Serviços Gerais
·         Formação: Ensino Médio Completo
·         6 meses de experiência
·         11 vaga

Vendedor Pracista
·         Formação: Ensino Médio Completo
·         3 meses de experiência
·         5 vagas

Cabeleireiro
·         Formação: Ensino Médio Completo
·         6 meses de experiência
·         3 vagas

Cozinheiro de Restaurante
·         Formação: Ensino Fundamental Completo
·         6 meses de experiência
·         3 vagas

Representante Comercial
·         Formação: Ensino Médio Completo
·         3 meses de experiência
·         5 vagas

Auxiliar Administrativo
(Vaga Exclusiva para PCD)
·         Formação: Ensino Médio Completo
·         1 vaga

Operador de Caixa
(Vaga Exclusiva para PCD)
·         Formação: Ensino Fundamental Completo
·         1 vaga

Vendedor no Comércio de Mercadorias
·         Formação: Ensino Médio Completo
·         6 meses de experiência
·         8 vagas

Secretário- Executivo
·         Formação: Ensino Superior Completo
·         6 meses de experiência
·         1 vaga

Auxiliar de Faturamento
·         Formação: Ensino Médio Completo
·         6 meses de experiência
·         1 vaga

Auxiliar de Laboratório de Análises Clínicas
·         Formação: Ensino Médio Completo
·         6 meses de experiência
·         1 vaga

Embalador
·         Formação: Ensino Médio Completo
·         3 meses de experiência
·         1 vaga

Repositor
·         Formação: Ensino Médio Completo
·         3 meses de experiência
·         1 vaga

Interessados devem se dirigir a unidade do SineBahia no SAC sala 14, situada à Rua Eustáquio Bastos, 308 Centro Ilhéus.

Imprescindível portar CTPS, RG, CPF